quarta-feira, 24 de outubro de 2007

Chansong II


"I’ve never been in Paris for the summer

I’ve never drank a Scotch with this bouquet"


Nunca vendi cavalos nas feiras da Tartária

Ou me perdi nas formalidades dos mestrados

Nunca fundei dinastias sobre reis assassinados

Ou joguei comediantes bestas sobre as feras


Jamais encontrei Buda no menu dos restaurantes

Tampouco acendi lâmpadas na guerra da Coréia

Jamais corri assustado alvejado por manifestantes

Tampouco li Gilgamesh na língua da Caldéia


Não produzi chacinas ou dividi famílias e alianças

nem dirigi carros de embaixada com insígnias de estado

não enriqueci com poços de petróleo no Arkansas


nem engordei bezerros nas planícies do el dorado

Não fui cantora de bar ou empregada de alguns mouros

Apenas escrevo sonetos antes de entrar na arena dos touros



4 comentários:

Luiz Coelho disse...

Soneto de mártir! bacana!

baduel disse...

nunca serei Tom
mas posso tê-lo
na nuvem do meu som
como um farelo
de tudo que há de bom
e mais singelo
que tinja este meu dom
com seu apelo.

- Marechal Carleto - disse...

Valeu badu Lofan

Petru disse...

eis que Badu Lofan , Baduel para os amigos volta de suas ferias nos campos do Camboja onde escreve sobre a filosofia da contagem de arroz nas primaveras dos anos bisextos de um calendario esquecido pelos homens mestres em lutar kung fu com guarda chuvas !
a ocasiao:
melhor possivel!
versos carletistas
sao como
um ret do verme
para meus pulmoes
sao como
doses de morfina(speedball)
para minhas veias calejadas
sao como pepitas
de historia entre cortada
num processador lemiano
produzido pelas estradas
que se curvam nas retas
na direcao desses jovens
atrevidos e humildes poetas !!

!!! salve o chantily !!!

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841