domingo, 8 de abril de 2007

- Canto Báltico IV -


IV


Tenho aqui


Um pote com Maná na Terra de Canaã

O ideal ortodoxo do Romantismo Alemão

Baianismo-Beat-Dionisíaco

Lírica persa em forma de paisagem

“ópios édens analgésicos”

A estética Plana oscilante do Orgasmo


Sob um tempestade de flechas gritadas das ameias

Invoco o Deus da Jericó Celeste:

A divindade surda ignora o chamado


Eu, colérico, impiedoso, cruel

Quase um Cesário Fracassado

Prometo o saque aos soldados,

Noite em que as provisões se esvaziam:


O fosso é largo

Os carros de boi exaustos


A linha de suprimentos enfraquecida

Os recrutas bebem tudo que acaba

Já não há para comer


O oficial não disfarça;

Reúne os homens e anuncia:

“Glória eterna ao primeiro que galgar as fortificações”


E os homens se enganam natos

Em meio aos destroços de setas e varetas

Em escadas quebradas nos tombadilhos trilhos e arautos

Galgando sobre o filho caçula da concubina assíria

Pedra sob os muros brancos e tostados da Tebas condenada

Erguida sob a pilha de homens desnudos sob telhas e carvão

O cadáver do menino como escada apodrecida para a Polis


Das sete portas cerradas sobram três


A Pedra de Palermo

O Papiro de Turim

A Pedra de Rosetta


O Canto Báltico das aldeias maias

Canto Cerrado das Agulhas Negras.


Canto amarrado entre a rede e a parede.



.

3 comentários:

Fulano Di Tal disse...

Corpos congelados nas florestas de gulag,20 mil cabças empilhadas em uma pequena cidade na fronteira da china,vala coletiva com 1 milhão de corpos,a chama subindo no pneu no alto da favela
objetivo ou destino,a crueldade só para aqueles que não digerem,peças nos tabuleiros para stalin,metodos para gengis,caminho para paul potti,sarcasmo de elias maluco

Anônimo disse...

Luto, viceras e rituais,coisas pifias para aqueles q simplesmente vão,como será a conciencia para aqueles q usam mortais como degrais ???

PH disse...

Ta faltando um anoite de hedonismo regado a liquido verde que possivilmente lembra absinto, um ritual sagrado que durante anos uniu gregos, persas e hindus

um dia entre os 365 ou mais, em que tres povos racial e culturalmente se entregavam aos prazeres carnais no sul da Índia (Atual Goa), Gregos, Persas e Hindus! Praticamente um carnaval, regado de muita joaia, seda e um tal de absinto

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841