domingo, 8 de junho de 2008

Paisagem - por Paulo Renato Porto Filho

.

A Manoel da Silveira Porto Filho


É pequena a humana vi(n)da,

rápida visita aos monturos do tempo largo

rio espesso

de profundo calado.

É susto-chegada,

ensaio do fim

Breve como o suspiro da moça

e a mentira da flor.

Seria uma concha?

Nesga que se alarga ao vento

e ao calor do vário movimento.

Promessa de cosmo, o corpo

não é invólucro da alma

Tem sua verdade

Tem seus líquidos e subterfúgios,

sua pressa.

Quem existir saberá ter-lhe sido

Mas é preciso algum desprezo,

alguma corda a se soltar antes que arrebente.

Mas quem sabe

quem lhe saberá o ritmo, marítimo segredo?

É sutil a humana brisa,

fôlego dos astros

na passagem.


4 de Junho de 2008

6 comentários:

Anônimo disse...

Lirismo nas sacadas do Império

Anônimo disse...

badu lofan em sua melhor forma :::

Anônimo disse...

vc ta certo, passei por la no reveillon, vc tava naquela festinha?

- Marechal Carleto - disse...

Certamente

Aquele dia foi épico

omnia in uno disse...

Excelente !!

Mary West disse...

Meio q sobre o parto naum?

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841