sexta-feira, 3 de outubro de 2008

A

.
Retorno:

o que
o coração aguarda
a todo instante


Mais que o tempo


a

asa

.

11 comentários:

Luiz Coelho disse...

O ponto onde culimina a palavra é quando a coisa se ausenta. O anseio é uma fuga, pelo extremo do vôo.

Obs.: Red Bull te dá asas?!

Anônimo disse...

Uma lapa
Uma mesa
Uma conversa
Um mancão
Croqui

Átila Siqueira. disse...

Belo poema, adoro vir aqui ler boas poesias. Parabéns.

Um grande abraço,
Átila Siqueira.

Amendoa disse...

Aguardando o tempo
Sem esperar a asa.

Petru P. disse...

ae psss

vai observando

at tukali ?



can you hear
the holly joy
of a panzer division ?

menta disse...

quero a asa que o retorno me traz.

omnia in uno disse...

mais que a asa


o azul.

Fulano di Tal disse...

a visitada a um velho amigo sumido
que tinha se ido
a seguir piratas
pra vender navios
que se foi entregue ao mundo
seu por escritura falsa
mas aprovada em ata
por outros vadios
companheiros de magros pratos
seu vinho de poucos trocados
é ouro liguido
bebido em gargalo
aos pés da lua
tudo oq possui
é um horizonte a frente
um passado enterrado
e uma ranhenta pintura
o vazio entre os dentes ornamentados por restos
exclama uma singela euforia
quando me ve parado
imaginando por quais aventuras
andei até chegar a este lado
se ainda tenho pra um vinho
um trocado
e assim trocaremos histórias
tecendo inconigtas de novas loucuras

claire disse...

o que eu aguardo. a todo instante.

Cosmunicando disse...

mais que tudo.

Ramon Alcântara disse...

e a espada!
quiçá, a flexa!


sempre esperando...



abzzz

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841