domingo, 18 de maio de 2008

Stio


Eu nunca quis pouco
mesmo que na passagem
dos desertos, sob a insolação
das grandes marchas mesmo
quando um filho das carroças


Nunca com a aventura histérica dos rebanhos
com o êxito dos seres em manadas nunca esse
elixir do gosto, o pasto, essas modas de alento gasto

Sim, à ânsia nova, nova e guiada por uma solução das roças
na pródiga cabana enfim apesar do tempo assim são as horas de

stio

.

2 comentários:

Luiz Coelho disse...

Verso Livre Tradicional no melhor estilo. curioso, dois verbos, somente, um no primeiro e outro no último verso. Isso dá um belo efeito estilístico que é atrelado ao significado do poema. Ou melhor, isso estrutura o significado do poema. Mas falta "sítio"!

- Marechal Carleto - disse...

engraçado, nesse poema eu nem pensei nos verbos como no anterior...

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841