segunda-feira, 7 de abril de 2008

Dorme Ponte


I


Mirar o laço frouxo

do vestido

Ater-se ao que se eleva

nos baixios

bater-se, a língua

prenha, e o baú dissecado

Temer ciências puras

e dialéticas da moral

ter-se como um filho

que nasce

quando dilaceram-se

os sapatos

comer as ondas

que escalam as muradas

honrar a botânica

dos fatos

tirar dos olhos

os ponteiros e

a lâmina

e assim passar

da faca o

fio

sem prender-se

deveras

ao ciúme


II


Atento

A pesquisar os gestos

Ciumento

Que dos rodeios

Não pode fugir

Covarde

Ela me olha

Eu não desvio

Atino

Não posso preescrever

A flecha

Tirano

Das sandálias

Não acompanho entresafras




10 comentários:

Cecília Borges disse...

Dorme ponte enquanto a gente anda bem acordado!
Bonita poesia, bonita mesmo.
Posso te linkar no meu blog?
Bj

- Marechal Carleto - disse...

Fique a vontade!

Anônimo disse...

... Pernambuco rio Bahia...
Só vigia um ponto negro: o meu ciúme

Robisson disse...

salve marechal

bacana tua continuação do meu poema
vou ler teus escritos com calma

abraços

Luiz Coelho disse...

Fala entrecortada pejorativa os fatos, mimetizando-os!

Anônimo disse...

# quem sabe na próxima estação ?

trem respirando meu agora
açoita ânsiedade do trilho
da cabeça de dentro da cabeça .

vai de vagões lotados
vagabundos escondidos
garrafas de pinga barata
no meio dos minérios
extraídos da artéria .



dexter gordon .

Anônimo disse...

aí dexter

to te esperando lá na dixieland

leva meu flugelhorn porra

grande abraço

Marsallis

Luiz Coelho disse...

Não sei se é arrogância o que vou dizer, mas ouço ecos da minha voz, ou melhor da minha fala, soluçando nesse poema! De qualquer maneira, a apropriação do estilo é sua, original, diria Andreasiana (pseudo-profética e pós-histórica)! A convivência polui e a poluição é a matéria da poesia (a única admissível).

P.S. Reclama do comment agora! (Manca pra lá!)

Anônimo disse...

Segunda-feira, Abril 14, 2008
NAS ONDAS DO RÁDIO !

Sim ! Agora toda quinta feira tem jazz na gruta - estarei de 15:00 as 16:oo horas apresentando da Central do Brasil na gloriosa cidade do Rio de Janeiro petardos sonoros para todo o nosso planeta ! Para ouvir basta acessar www.radiogruta.com ou usar o player direto do poesia para massas .

- Marechal Carleto - disse...

é lebre

foi inspirado na sua dicção mesmo q escrevi esse poema

(mas assim, sem mancar né psero)

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841