sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

"...MC: Vagamos seis meses por terras infestadas de colméias, formigas e serpentes até o dia em que encontramos, à beira de um riacho, um velho garimpeiro paulista que nos disse que estávamos a dois dias de marcha da Estrada Real que levava ao Arraial do Tijuco. Por segurança matamos o infeliz para que não nos denunciasse. A essa altura estávamos reduzidos a dezoito homens, mas uma tropa portuguesa deve ter escutado a notícia de que um grupo de vinte homens armados havia surgido nos subúrbios do Arraial porque no segundo dia em que já caminhávamos pela estrada de pedra, fomos surpreendidos por um força de Dragões do exército português que avançou sobre a nós tão rapidamente que fomos obrigados a fugir para as matas. Quando alcançamos o Jequitinhonha outra vez, montamos uma jangada e descemos até o nosso povoado de Nossa Senhora Virgem da Lapa, com a intenção de planejar uma nova ofensiva para atacar as Minas pelo novo caminho descoberto. Voltei depois para Belmonte, para onde transferi todos os ministérios e repartições públicas do Império. Foi essa época que conheci o mercador de Macau que me vendeu meus quatro elefantes indianos. Tive a honra de fundar um jardim zoológico para abrigá-los, o maior zoológico de todo Império Baiano..."

Um comentário:

Luiz Coelho disse...

O sertão vai virar mar, qdo carleto gaspar voltar!

do mítico e da chanchada ressurgirá o herói das serras peladas de diamantina!

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841