terça-feira, 6 de março de 2007

- II -


Aqui essa noite de março em Juiz de Fora

Imprimo hieróglifos no papel timbrado...

Cabe aos descendentes ler o que lhes foi guardado


Um cão,

A arma,

Um lugar seguro pra passar a noite

Sozinho em alguma mata fechada das serras


Só.


Escrevo uma extensa carta para um filho desaparecido

Deixo notícias pros que não sabem o meu nome

Idéias vêm e desaparecem com o espetáculo de vaga-lumes

Milícias de Nassau tomam a vila Lusitana


Cavernas ocultas do Jalapão

Barrancos de argila no Tapajós

Enseadas perdidas na Rio-Santos

Ausência dos mapas

Rios sem nome


Tomados pela febres

Sem poder roubar galinhas

Sem ter mais utilidade


Capturados.


Meu exército de Búfalos montados

Búfalos de duas toneladas

A Bufálaria do baixo Amazonas

E cada um dos caboclos grita a terra de seus ancestrais

Sou do Juruá

Sou doTrombetas

Sou do Xingu

Sou do Rio Negro

Sou do Araguaia

Eu sou aqui de Marajó...


Se faço a guerra, o faço por natureza

e não por lei ou ideal

Correria atrás de índios na floresta

Repúblicas de Negros livres nos sertões do Maranhão

Pergaminhos da lei queimados no meu escritório em Lençóis

A geografia triangular de Salvador

Constantinopla dos trópicos

Tudo cercado com Muralhas de rocha!!!


Foi tarde que eu percebi

Que o vosso mundo ainda é longe

Desterrados os que não sabem de Xangô Iemanjá

Os marinheiros que próximos de ti passaram ao largo

Oxossi, Iansã, Obá


Almoçar em Montes Claros não custou tão caro

Um prato servido a quatro reais com refresco;

Lanchar em Caxambu no Parque das águas é de graça...

Domingo não se paga entrada;

Cerveja gelada no bar à noite em Jericoaquara

Beira do mar, o crooner toca Oceano.

Grande Bordel que é a vida


Encontrando suas amantes em pensões imundas de Recife

Onde moscas Gordas e verdes picam todos os hóspedes

Onde os Galos e coelhos da Dona Branca cagam todo o corredor

Onde a gritaria é cerimônia

Seu Carneirinho está de fora

Freta barcos em Porto de Galinhas

Anunciando a tempestade o vento que vem de Sudoeste

Ele vai pra casa mais cedo esse dia


Tenho um segredo guardado nas mãos

Glória em Copacabana em 2007 é ganhar no Amazônia King

Pego meu taco de sinuca e ponho a ficha na mesa

Meu jogo é esse! Só dou porradão!

Se ganho, é na fé e na cagada

Esse é meu segredo

E sempre ganho...


Volto pra casa num executivo da São Geraldo

“Bem-vindos ao Rio de janeiro. Rodoviária Novo Rio.”

Mal estar na Zona Portuária

Do Olimpo ao Hades, Via Governador Valadares

Franca decadência das Terras do Paraíba


Ipê Amarelo, Jacarandá

Tabebuia Pau-Mulato

Embaúba...


C7M Am7/11 Dm7 G7M/9 Am7/9


Como um espírito de revolta

Que retorna ao seu velho castelo demolido

De mãos lavadas

Chego ao Aeroporto Antônio Carlos Jobim

A linha Vermelha não me dá Boas Vindas

“Jogue suas botas ao chão forasteiro.

Delicie-se no vinho do inferno!!!”

Diz o Policial na revista


Fumo um hollywood Verde e fico calado

A espera...


Na mala do taxi

O chapéu esquecido

O casaco roubado

O livro emprestado

Uma canção Eslava da Abissínia...


A espera, acendo outro cigarro


Sigo esperando...


Parado ...


E não há o que fazer senão fumar mais um...


2 comentários:

piero disse...

Excelente!!!

Anônimo disse...

Adoro esse Carleeto!!!

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841