quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Apologia ao saque XVII

.
Cada fragmento é um comentário, é uma escolha, um recorte, uma associação, uma potência não-totalizadora.
Cada fragmento é a ruína que não se quer reconstruir para que volte a ser o que foi uma vez. A potência destes escritos talvez só possa se produzir a partir destes restos
.
Ruínas não são o espaço da contemplação mórbida ou do mero inventário estéril.
Ruínas são espaços de potência, elementos de combate, focos de resistência ao domínio das limitações.
.
Nascer e renascer com os mortos.
.

2 comentários:

diana sandes disse...

nada se parece mais com a ruína do que alguma coisa em construção...

Luiz Coelho disse...

ta demais, hein, meu discipulo! Li como um poema em prosa híbrido de um fragmento d eum ensaio, como vc mesmo diz: "um comentário, uma escolha, uma potência não-totalizadora".

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841