segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O diâmetro da entrada da caverna

.
...............................................A Lucas Viriato

Não existe
coleção melhor de
esqueletos de baleia

mas meu pai caçava pássaros
e não viu a tarde em que
as legiões zarparam

e eu fumava de mãos molhadas
sobre os mortos
na lama cristalina de Delville Wood

.

6 comentários:

Paulo Henrique Motta disse...

bom te ver de volta, Loscar.
um abraço,
Paulinho.

Adrianna Coelho disse...


eu gostei muito
apesar de não ter entendido... rsrsrs

mas eu gostei mesmo!
e gostei mais de te ver por aqui de novo. :)

Ramon Alcântara disse...

Gosto de seus poemas, históricos-transcendentais!

abz

Ramon Alcântara disse...

Lavoura Arcaica!

Luiz Coelho disse...

as marcas que engrossam o carpete, molham, deixam um mesmo mofo que estampa as paredes das cavernas úmidas e se parecem com arte, da suposta arte que dizem ser os primórdios do início do senso humano de criatividade. as tatuagens tb borram com o sol. e os equívocos se fazem com o fluxo da história: toda narrativa é uma coleção de desfluxos e descontinuidades.

Lucas Viriato disse...

Uma honra enorme!
Grande abraço do amigo,
Lucas

Marechal Carleto Gaspar 1841

Marechal Carleto Gaspar 1841